quarta-feira, 25 de abril de 2012

Mamografia: Microcalcificações


   As calcificações distróficas decorrem do depósito anormal de sais de cálcio, na maioria das vezes, em tecidos previamente lesados (epiteliais ou conjuntivos) e nas secreções.
 As células tumorais desenvolvem mecanismos que lhes possibilitam escapar desse envelhecimento, tornando-se imortais, pode ocorrer progressão do ciclo celular, diferenciação celular, ativação enzimática por meio dos íons de cálcio como segundo mensageiro ou ligação do cálcio com proteínas mediadoras intracelulares. Além disso, tais células podem estar associadas ao acúmulo de cálcio extracelular ou
às calcificações que posteriormente se tornam evidências radiográficas precoces do câncer de mama.
  O carcinoma in situ, em 70 a 80% das vezes se manifesta pela presença de microcalcificações.
 O principal critério para distinguir as calcificações benignas das malignas é a análise de sua forma e sua distribuição. Outros aspectos compreendem tamanho, contorno, densidade e estabilidade.
  As tipicamente benignas não exigem preocupação. São classificadas na categoria 2 do sistema BI-RADS e recomenda-se controle de rotina. São facilmente distinguíveis por serem características.
  As calcificações podem surgir nas seguintes alterações:
- necrose gordurosa;
- parede dos cistos ou cutâneas: forma anelar ou casca de ovo;
- vasos sanguíneos: calcificações paralelas como “trilho de trem”;
- fibroadenomas: em “pipoca”;
- secretórias: em “bastonetes”;
- intracísticas.
  Podem se apresentar dispersas pelo corpo mamário e serem bilaterais.
 Alterações provavelmente benignas:  agrupadas, redondas ou ovais, e regulares, cujo grupamento apresenta também a forma redonda ou oval, sendo categoria 3 no BI-RADS.
  Para as malignas, os critérios de análise de maior valor são suas características morfológicas e de distribuição. Geralmente, são pequenas, menores que 2 mm, de densidades e tamanhos variados. O valor preditivo para malignidade se eleva conforme aumenta o número de microcalcificações. Por exemplo, se houver mais de 30 microcalcificações agrupadas e irregulares, ou sua concentração for superior a 10 por cm, atinge- se 65% de acerto.
   Para aprimorar o estudo das calcificações, preconiza-se realizar duas incidências: perfil absoluto e crânio-caudal ampliadas (aumento de 1,5 vez), para ter suas características melhor definidas.


 Microcalcificações malignas: Agrupamentos 
pleomórficas, algumas densas e outras de
baixa densidade


Atualização Terapêutica 2007






Nenhum comentário:

Postar um comentário